Mooca
School of Rock

CONHEÇA A School of Rock

Mooca

Em breve a School of Rock vai chegar na Mooca! Inscreva-se para receber mais informações!

Baixo

BAIXO PARA INICIANTES: TOP 10 RIFFS

Os baixistas geralmente começam aprendendo canções icônicas como “Smoke on the Water”, “Another One Bites the Dust” e “Smells Like Teen Spirit”. Essas são algumas músicas matadoras com linhas de baixo simples e acessíveis para um iniciante de qualquer idade, e se você deu o primeiro passo ao aprender uma delas, deve se orgulhar de suas realizações até agora!

Agora que você aprendeu alguns riffs, pode estar se perguntando “e agora?” Dê o próximo passo em sua jornada musical e aprenda as seguintes músicas para continuar desenvolvendo suas habilidades:

“SEVEN NATION ARMY” DE THE WHITE STRIPES

Se você teve alguma aula de música ou até mesmo conversou com um músico experiente, alguém com certeza disse que você PRECISA aprender “Seven Nation Army”. Se você não reconhece o nome, confira os primeiros 30 segundos da música; você com certeza já ouviu! Embora The White Stripes não tenha um baixista, Jack White toca esse riff de guitarra principal enquanto usa um pedal de oitava – um equipamento de guitarra que abaixa o tom, dando a ela um som profundo e rítmico – por isso faz tanto sentido tocá-lo no baixo. Portanto, sem mais delongas, vamos ao que interessa!

Você pode estar se perguntando: “Por que essa música é tão comum de aprender como iniciante?” Simplificando, o riff principal usa apenas cinco notas, e todas elas caem em uma única corda. Além disso, essas notas compõem a escala de E menor. A primeira nota da música (sétima casa da sua corda A, um E) serve como sua nota tônica. Subir até a décima casa é a terça menor, então a música pede uma descida para atingir a sétima, a sexta e a quinta. Para entender melhor quais notas são usadas e quando, experimente tocar a escala de E menor e identificar onde cada uma dessas notas se encaixa!

“DANCE, DANCE” DE FALL OUT BOY

Os anos 2000 nunca falharam em fornecer pop-punk cafona, cabelo emo e linhas de baixo enérgicas. Este hino emo de 2005 não é exceção. Pete Wentz não apenas usa seu baixo Precision Signature para escrever uma linha de baixo reconhecível e inesquecível, mas também usa a escala maior!

“Dance, Dance” é tocada no tom de B menor, que é a relativa menor de D maior. O groove incomparável nessa linha de baixo é criado usando apenas quatro notas nesse tom: a tônica (D), a quarta justa (G), a quinta justa (A) e a relativa menor (B). Isso não apenas faz uso da escala e reforça o método por trás de escrever linhas de baixo, mas as músicas mais populares dos últimos 70 anos são compostas dessas mesmas quatro notas. Mude essa linha ao longo do braço do baixo e você terá seus quatro acordes principais em qualquer tom!

“UNDER PRESSURE” DE QUEEN E DAVID BOWIE

Seja por meio dessa colaboração de Mercury e Bowie ou de uma amostra de uma música do Vanilla Ice de 1990, essa linha de baixo torna as duas músicas imediatamente reconhecíveis desde os primeiros dois segundos de música. E para nossa sorte, é uma das mais fáceis.

Mantendo um padrão simples que salta entre apenas duas notas, “Under Pressure” ensina um baixista iniciante a fazer transições rápidas entre colcheias e semicolcheias. A sensação de tercina que esse salto cria, junto com a pegada firme de John Deacon, proporciona uma experiência de aprendizado divertida e simples. Além disso, você meio que aprende a tocar duas músicas aprendendo uma só!

“BACK IN BLACK” DE AC/DC

Qualquer baixista intermediário, experiente ou músico profissional dirá a mesma coisa – tercina é um conceito difícil de aprender e ainda mais difícil de ensinar. Se um baixista tocando suas primeiras músicas consegue entender a “sensação do swing”, esse conceito pode ser explicado adicionando uma nota entre as duas notas do swing. No entanto, a ideia por trás de espremer três notas em um espaço onde tradicionalmente há apenas duas pode ser difícil de entender.

Não se preocupe, ok? Todos nós já ouvimos a faixa-título da obra-prima do AC/DC, “Back in Black” – seja em um churrasco com os amigos do seu pai, no quarto do seu primo metaleiro ou na rádio. Sem confundir os novos baixistas do mundo usando tercinas reais, Cliff Williams mantém uma “sensação de tercina” durante os versos tocando três semicolcheias consecutivas. Como mencionado, as tercinas também são difíceis de serem explicadas pelo seu instrutor, e esta é uma ótima maneira de começar a mudança de semicolcheias simples para o uso básico de tercinas. Um passo de cada vez, tudo bem?

“COME TOGETHER” DE THE BEATLES

Sim, sim. Você está surpreso?

Embora essa linha de baixo use a mesma escala menor que mencionamos em quase todos os  itens, “Come Together” faz uso de uma técnica chamada “sliding”. Para aqueles que não sabem, o sliding (deslizamento) é exatamente o que parece - começa em uma nota baixa no braço do baixo e desliza o dedo até uma nota mais alta, atingindo todas as notas intermediárias. Paul McCartney começa em uma nota D (quinto traste, corda A) e desliza para cima para atingir sua quarta e quinta justas (10º e 12º trastes, respectivamente), antes de subir para tocar uma oitava D. Um slide de seu quinto traste para o décimo pode ser um pouco desafiador no começo, mas como é algo que aparece na execução de baixo de quase todos os gêneros, é importante definir esta técnica em seus primeiros estudos.

“PUMPED UP KICKS” DE FOSTER THE PEOPLE

Ok, você chegou até aqui. Agora que passamos por canções convencionais de escala maior e menor, podemos falar sobre essa música animada de Foster the People. Supondo que você tenha aprendido a escala maior antes ou durante a leitura desse artigo, vamos dar um passo adiante. “Modos” fazem uso da escala maior, alterando em qual nota você começa e termina. Por exemplo, se você estiver usando a escala de C maior (ou modo Jônico), começar e terminar em D muda isso para o D - modo Dórico.

Como você provavelmente pode adivinhar pelo subtítulo e pela explicação anterior, a linha de baixo desse hit de Foster the People de 2010, “Pumped Up Kicks”, sobe e desce o F - modo Dórico. Até quem não é músico notou essa linha de baixo quando a música foi lançada, e ela ficou ainda mais famosa com seu retorno aos holofotes no TikTok. Se você está procurando uma boa introdução aos modos, certifique-se de incluir o Pumped Up Kicks em seu repertório.

“SUNSHINE OF YOUR LOVE” DE CREAM

Esse clássico do Cream apresenta o trabalho de baixo de Jack Bruce. Embora Bruce seja um baixista virtuoso, esse riff é baseado na escala Blues Dm. A escala Blues é uma escala hexatônica de 6 notas que pega a escala pentatônica de 5 notas e adiciona a “blue note”, o b5, para ficar ainda melhor. A música começa na tônica de D e depois, quando os acordes mudam, vai para o IV, uma progressão de acordes muito comum encontrada em milhares de músicas.

Você pode transpor esse riff para qualquer tom; transpor significa apenas tocar o mesmo padrão de notas, mas mudar a nota tônica (neste caso, a nota inicial). A transposição é uma ótima maneira de praticar riffs conforme você os move para diferentes posições da escala. Ao transpor riffs, pratique nomear as notas que você toca. Isso te ajudará a aprender toda a escala. Lembre-se, uma vez que você atinge o 12º traste, todas as notas recomeçam em uma nova oitava.

“YOU REALLY GOT ME” DE THE KINKS (E VAN HALEN)

“You Really Got Me”, de The Kinks, é uma música conhecida do fenômeno cultural Invasão Britânica, que também encontrou uma nova existência quando foi tocada por Van Halen em seu álbum de estreia. É outro riff de baixo realmente básico que demonstra o intervalo completo ou o intervalo de dois trastes. A música usa o modo Mixolídio, que é a escala maior com a última nota abaixada em meio tom.

A versão dos Kinks começa tocando um padrão simples no 1º e 3º trastes da corda E. A nota inicial é o 1º traste (F) e depois vai para o 3º traste (G) neste padrão:  FGGFG, FGGFG. Em seguida, sobe para o 3º e 5º trastes com as notas G e A: GAAGA, GAAGA. Por fim, vai para o 3º e 5º trastes da corda A: CDDCD, CDDCD antes de ficar na nota C e voltar ao riff original. A versão do Van Halen está no tom de A, que é um tom acima do original.

“SMELLS LIKE TEEN SPIRIT” DE NIRVANA

Aqui está um riff monstruoso tocado pelo baixista do Nirvana, Krist Novoselic. Essa é a música que deu início à explosão do Grunge e colocou Seattle no mapa. Este riff motivador e repetitivo é ótimo para desenvolver seu senso de tempo e ritmo. A música usa uma fórmula clássica de versos “quietos” que se transformam em um refrão alto. Em termos musicais, isso é chamado de dinâmica. A dinâmica permite que as músicas respirem e criem tensão e alívio dentro da música.

A música está no tom de Fm, e no verso e refrão há um padrão de apenas 5 notas. Segue os power acordes de guitarra de F, Bb, Ab, Db. A quinta nota é um slide de G para Ab que é referido como um tom de passagem. Isso dá ao riff um ritmo sincopado. O verso tem uma sensação muito “direta” de notas ⅛ abafadas e se abre para notas mais altas no refrão. Há uma terceira parte, chamada de “ponte”, que contrasta com a repetição do verso/refrão.

“IRON MAN” DE BLACK SABBATH

"Iron Man” é uma das linhas de baixo essenciais que todos aprendem. O Black Sabbath basicamente criou o gênero Heavy Metal e mesmo que não seja sua praia, há muito o que aprender com o baixista Geezer Butler. Embora o solo seja louco e cheio de groove, quase um jazz, vamos nos concentrar no riff icônico principal.

Uma rápida observação aqui, se você tocar junto com a música, você soará um pouco desafinado (mesmo que seu baixo esteja perfeitamente afinado). Isso acontece porque a música foi gravada em 1970 em fita analógica. Naquela época, em algum momento quando os álbuns eram mixados, eles aceleravam ou desaceleravam levemente a fita para tornar a música mais rápida ou mais lenta. Ao fazer isso, eles mudavam um pouco o tom da gravação real! Se você afinar um pouco suas cordas em sustenido (mais alto), você estará afinado com a gravação. O andamento da música é muito lento, cerca de 75 BPM (batidas por minuto) apenas. O riff principal é em Em e tem as notas B, D, E, G e F#.

Sabemos que aprender um novo instrumento pode ser desafiador. Lembre-se de pegar leve com você mesmo. O Flea não se tornou um superstar da noite para o dia. Paul McCartney tinha anos de guitarra em seu currículo antes de tocar um baixo. Todo mundo começa em algum lugar, e que lugar seria melhor do que aqui com a gente? Na School of Rock, adotamos a abordagem de ensino Songfirst. Muito parecido com o formato deste artigo, em que você verá uma música e as técnicas serão desenvolvidas à medida que você avança com seu instrutor . Faça uma aula experimental em uma escola perto de você!

SOBRE O AUTOR: Matt Spafford é instrutor na School of Rock Orleans e ensina guitarra e baixo. Além de ensinar, Matt passa seu tempo tocando com o grupo de pop-rock de Ontário, Certainty, além de escrever e gravar músicas como músico solo.