Lapa-Vila Leopoldina
School of Rock

CONHEÇA A School of Rock

Lapa-Vila Leopoldina

Matrículas abertas. Aulas para todas idades e nível musical.
  Fale Conosco e encontraremos o programa adequado (WhatsApp)

indústria da música

SCHOOL OF ROCK APRESENTA: VÍDEOS QUE REVOLUCIONARAM A INDÚSTRIA DO ROCK

Todos nós adoramos assistir a videoclipes, mas você sabe qual foi o primeiro videoclipe a ir ao ar na MTV? Ou quem fez o primeiro vídeo animado CGI, ou o vídeo de qual artista ajudou a abrir caminho para artistas negros ganharem estrelato internacional? Aqui estão alguns videoclipes que achamos que revolucionaram a indústria da música, inspirando mais expressões criativas e permitindo que todos os músicos obtivessem sucesso com a sua arte.

BOHEMIAN RHAPSODY — QUEEN (1975, DIRIGIDO POR BRUCE GOWERS)

Hoje em dia, todo mundo conhece essa música icônica como um épico mashup estilístico de seis minutos de harmonias à capella, piano dramático, vocais no estilo de ópera e solos de guitarra verdadeiramente rock and roll. Mas nem todo mundo percebe que o videoclipe de rock “Bohemian Rhapsody” foi o grande responsável por sua popularidade inicial, ou como mudou para sempre a maneira como as bandas comercializavam sua música para o mundo.

Na década de 60 e início dos anos 70, a maioria dos artistas que procuravam promover seus singles ou álbuns aparecia ao vivo em programas de televisão, como o Top of the Pops da BBC. No entanto, muitas bandas famosas (incluindo The Beatles, Rolling Stones e David Bowie) também faziam algum tipo de videoclipe (conhecido como 'promoções pop'), por dois motivos principais:

  1. Eles podiam ter controle artístico dos visuais que acompanhavam sua música (em vez de ter que tocar acompanhados pelos dançarinos dos programas ao vivo) e;
  2. Eles podiam promover sua música na TV, mesmo que não conseguissem chegar à data de apresentação do show.

Foi por esse segundo motivo, além da seção de opereta de “Bohemian Rhapsody” ser muito difícil de dublar ao vivo, que o Queen decidiu fazer um vídeo promocional para ir ao ar no Top of the Pops. O vídeo apresenta alguns efeitos especiais iniciais, como um efeito com várias imagens da banda, e contém a agora icônica imagem dos rostos dos quatro membros da banda em forma de diamante, combinando com a capa de seu segundo álbum, Queen II. O vídeo apresentou “Bohemian Rhapsody” tão bem que a música alcançou o primeiro lugar nas paradas do Reino Unido apenas uma semana depois de ir ao ar (e permaneceu em primeiro lugar por nove semanas consecutivas). 

Muitas pessoas atribuem à “Bohemian Rhapsody" o início da era dos videoclipes de rock (e, eventualmente, da MTV) como a principal forma de gravadoras e bandas promoverem seus singles. Segundo o British Guardian, os vídeos eram uma “ferramenta obrigatória no marketing musical” e essencial para qualquer banda que pretendesse alcançar o estrelato nacional e internacional.

PlayPlay Button
QUEEN – BOHEMIAN RHAPSODY

Bônus! Confira os alunos da School of Rock tocando “Bohemian Rhapsody” do Queen abaixo.

PlayPlay Button
SCHOOL OF ROCK STUDENTS PERFORM "BOHEMIAN RHAPSODY" BY QUEEN

VIDEO KILLED THE RADIO STAR — THE BUGGLES (1979, DIRIGIDO POR RUSSELL MULCAHY)

O vídeo dessa cativante música pop New Wave carregada de sintetizadores é amplamente conhecido como o primeiro videoclipe a ir ao ar na MTV. De fato, a MTV marcou sua estreia às 12h01 EST do dia 1 de agosto de 1981, ao reproduzir este vídeo, e ainda é de longe a música mais conhecida dos The Buggles.

O videoclipe é visualmente legal mesmo para os padrões de hoje. Possui vários teclados do final dos anos 70 (Geoffrey Downes frequentemente aparece tocando dois sintetizadores ao mesmo tempo, e há uma participação especial do artista alemão Hans Zimmer, que se tornou um premiado compositor de filmes), uma mulher “do futuro” vestindo um macacão prateado e sendo baleada em tubos, e uma TV explodindo, que aparentemente irritou algumas audiências por ser “violenta demais”. Confira o vídeo se você ainda não viu!

A letra da música, baseada em parte em temas do autor distópico J.G. Ballard, é bastante adequada: a ascensão da MTV e do marketing da música impulsionado por videoclipes realmente marcou uma mudança repentina e dramática em como e quais bandas alcançaram o sucesso e o estrelato na era moderna. De repente, a imagem importava tanto quanto o som, e artistas internacionais (como as bandas britânicas Roxy Music, Culture Club e, é claro, os The Buggles), bem como artistas mais novos e promissores, foram colocados no centro das atenções à frente de bandas americanas mais antigas e "clássicas" preferidas pelas estações de rádio. No geral, a música fala sobre o inevitável deslocamento da velha tecnologia pela nova tecnologia e as emoções complexas que inspiram, mas o faz com uma música cativante e estridente que incorpora todos os tipos de novas tecnologias (principalmente sintetizadores) e transformou os The Buggles, pelo menos temporariamente, em estrelas de vídeo.

PlayPlay Button
THE BUGGLES – VIDEO KILLED THE RADIO STAR

MONEY FOR NOTHING — DIRE STRAITS (1985, DIRIGIDO POR STEVE BARRON)

A primeira coisa que você notará neste vídeo, que ganhou o prêmio de Vídeo do Ano na cerimônia do MTV Music Video Awards de 1985, é o logotipo animado da MTV aparecendo na tela da TV. O vídeo continua mostrando um personagem animado em CGI assistindo a vídeos de rock estrelado por pessoas reais, incluindo Dire Straits. O efeito geral sugere que o que está acontecendo na TV, especificamente nos videoclipes, é mais “real” do que o que está acontecendo na vida cotidiana; isso, junto com a frase de abertura “I want my MTV” (cantada pelo então vocalista do Police, Sting), faz o vídeo (e a música) parecer um anúncio da MTV e dos videoclipes em geral.

Ironicamente, nem o vocalista do Dire Straits, Mark Knopfler, nem os narradores de “Money for Nothing” (supostamente baseado em uma conversa de dois homens que Knopfler ouviu conversando um dia), eram fãs de videoclipes de rock. Se você ouvir a letra original (que contém algumas palavras ofensivas, novamente supostamente retiradas de uma conversa da vida real), os narradores da música não entendem porque guitarristas e músicos desfilando no palco e em videoclipes ganham muito mais dinheiro do que recebem por seus trabalhos braçais movendo geladeiras e instalando micro-ondas. A letra contém uma mistura interessante de inveja e desprezo dirigido às estrelas do rock, sublinhada pela linha obsessiva de Sting “I want my MTV”, que abre e fecha a música. Como em “Video Killed the Radio Star”, a mensagem aqui é que goste ou não, os videoclipes de rock na década de 1980 foram um componente essencial do rock and roll e determinaram quais bandas se tornariam as mais bem-sucedidas comercialmente.

Apesar da aversão de Knopfler por videoclipes de rock (o diretor Steve Barron teve que convencê-lo durante um jantar em Budapeste a fazer o videoclipe), o vídeo de "Money for Nothing" foi considerado inovador por seu uso inicial de animação gerada por computador e ganhou dois prêmios da MTV naquele ano, superando o outro vídeo animado de Barron, "Take On Me". Como a tecnologia de animação CGI era muito nova, Barron e seu animador, Ian Pearson, levaram três semanas e meia de trabalho constante para terminar o vídeo no prazo.

THRILLER — MICHAEL JACKSON (1983, DIRigido por JOHN LANDIS)

Ainda considerado um dos maiores videoclipes de rock já feitos, o videoclipe de Michael Jackson para "Thriller" quebrou todos os tipos de barreiras em seu lançamento e concedeu aos videoclipes a liberdade de se tornarem verdadeiras obras de arte. Também contribuiu para a consagração de Michael Jackson como um ícone pop global e ajudou a tornar seu álbum "Thriller" o mais vendido de todos os tempos.

Jackson recrutou John Landis, que dirigiu o filme de terror e comédia de 1981, Um Lobisomem Americano em Londres, para dirigir e co-escrever o vídeo de "Thriller", que na verdade é um curta-metragem de 14 minutos estrelado por Michael e Ola Ray como sua namorada. O videoclipe começa com um casal (interpretado por Michael e Ray) tendo uma noite romântica na floresta que dá terrivelmente errado quando o personagem de Michael se transforma em uma criatura parecida com um lobisomem e ataca sua namorada.

Acontece que essa cena faz parte de um filme, pois o vídeo corta para um cinema lotado assistindo a cena se desenrolar na grande tela. Michael e Ray retratam outro casal na platéia do teatro, com Michael curtindo os sustos do filme e Ray saindo devido ao terror. MJ a segue e começa a cantar "Thriller" enquanto caminham pelas ruas da cidade à noite. Quando eles passam por um cemitério, os zumbis começam a rastejar para fora dos túmulos e Michael começa a dançar com eles, eventualmente se transformando em um zumbi. A personagem de Ray é perseguida em uma velha casa mal-assombrada e quando ela é encurralada, a cena é cortada novamente e tudo aquilo foi um pesadelo o tempo todo. Ou não foi?

O videoclipe de “Thriller” é significativo por vários motivos: foi o primeiro videoclipe com um mini filme já feito; quebrou muitas barreiras raciais na época, já que suas duas estrelas eram negras; e foi uma obra-prima de marketing. O empresário de Michael o encorajou a fazer um vídeo para "Thriller" depois que a classificação do álbum começou a cair do topo das paradas da Billboard. Pensando nisso, Michael e Landis conceberam um vídeo épico com um orçamento maior do que o normal e também criaram um documentário making-of para vender para as redes de TV, o que fez com que esse formato se tornasse popular e amplamente utilizado.

PlayPlay Button
MICHAEL JACKSON – THRILLER

WITH OR WITHOUT YOU — U2 (1987, DIRIGIDO POR MEIERT AVIS E MATT MAHURIN)

O vídeo deste sucesso duradouro do U2 é filmado em preto e branco e é notável por sua beleza hipnotizante e uso sutil de efeitos visuais. A banda parece estar tocando e cantando meio na sombra e quase em câmera lenta, com edições ocasionais do corpo de uma mulher se movendo lentamente, também em preto e branco. O efeito geral é artístico e combina perfeitamente com o ritmo embalador da música, sem se esforçar muito para contar uma história ou fazer algo chamativo. O trabalho de câmera e os efeitos ocupam o centro do palco neste vídeo, aprimorando nossa experiência da emoção da música sem nos distrair dela.

O guitarrista do U2, The Edge, disse isso sobre seu solo de guitarra na música: “Eu acho que as notas são caras. Você não apenas as joga por aí. O final de 'With or Without You' poderia ter sido muito maior, com um clímax, mas há esse poder nisso que eu acho que é ainda mais potente porque é contido.”

PlayPlay Button
U2 – WITH OR WITHOUT YOU

BAKERMAN — LAID BACK (1990, DIRIGIDO POR LARS VON TRIER)

Dirigido pelo prestes a se tornar famoso (e controverso) diretor de cinema dinamarquês Lars von Trier, esse videoclipe incrível mostra a dupla e vários membros de sua banda de apoio saltando de paraquedas de um pequeno avião carregando (em várias tomadas): seus instrumentos, um pão, um forninho e uma bateria segurada por duas pessoas enquanto é golpeada com baquetas por outra pessoa. Uma cena repetida mostra o guitarrista sincronizando os lábios com a letra da música enquanto aparentemente voava pelo ar. 

Os visuais são incríveis e a banda parece estar se divertindo muito fazendo esse videoclipe. Foi nomeado para o MTV Europe International Viewer's Choice Award, e nós recomendamos muito que você o veja!

PlayPlay Button
LAID BACK – BAKERMAN

GIMME ALL YOUR LOVIN’ — ZZ TOP (1983, DIRIGIDO POR TIM NEWMAN)

Este vídeo divertido foi o primeiro de uma trilogia de três videoclipes de rock do ZZ Top apresentando o trio 'Eliminator': três mulheres lindas e poderosas que chegam em um chamativo carro vermelho e encorajam o protagonista da classe trabalhadora (nesse vídeo, um frentista de posto de gasolina) a se libertar do 'Homem' (nesse vídeo, seu velho patrão ranzinza), enquanto os três integrantes do ZZ Top torcem por eles. Além de ser visualmente espetacular e incluir alguns efeitos especiais que fazem a banda e o carro parecerem quase místicos, este vídeo foi revolucionário em sua ousadia: os três membros do ZZ Top eram homens mais velhos, meio fora de moda, com longas barbas, basicamente o oposto das estrelas mais jovens e promissoras que tantas vezes aparecem na MTV.  Em vez de evitar fazer videoclipes de rock ou mudar sua imagem, no entanto, a banda se apresentava exatamente como era, roqueiros envelhecidos que se alinhavam despreocupadamente com forasteiros, rebeldes e oprimidos. Ao fazer isso, e ao estrelar mulheres poderosas em seus vídeos durante uma época em que isso era raro, o ZZ Top ganhou o respeito e a adesão de muitos fãs mais jovens.

SUBTERRANEAN HOMESICK BLUES — BOB DYLAN (1967, DIRIGIDO POR D.A. PENNEBAKER)

Considerado um dos primeiros (e maiores) videoclipes de rock, o clipe promocional "Subterranean Homesick Blues" foi originalmente filmado como o trailer do documentário Don't Look Back sobre a turnê de Bob Dylan em 1965, no Reino Unido. O vídeo mostra Dylan parado em frente ao Savoy Hotel em Londres, segurando grandes cartões com palavras e frases selecionadas de sua música enquanto ela toca. Surpreendentemente, muitas das palavras, como “when” ou “those”, são comuns e não revelam o significado das falas, forçando os espectadores a prestarem mais atenção ao ataque implacável das letras poéticas. Ocasionalmente, uma frase no cartão de sinalização não corresponde exatamente à música: uma diz "Watch out!" enquanto Dylan canta “Look out, kid, it’s something you did;” outro faz uma piada sobre o sotaque de Dylan, substituindo “parking meters” por “pawking metahs”. A certa altura, Dylan mostra um cartão com uma frase que não aparece na música: a mensagem “Dig yourself”.

O vídeo, como a maioria das músicas de Bob Dylan em meados dos anos 60 e além, é criativo e icônico e também parece mais direto e acessível do que realmente é. O clipe foi filmado em uma tomada, com Allen Ginsburg e Bob Neuwirth conversando quase fora da câmera no beco atrás de Dylan, que parece desafiador e indiferente enquanto joga a letra de lado depois que ela aparece na música. O efeito geral é de um vídeo de baixo orçamento, mas elegante, com a mistura de humor com algo enigmático e profundo de significado que caracteriza “Subterranean Homesick Blues” e a torna uma das canções mais populares e influentes de Bob Dylan.

PlayPlay Button
BOB DYLAN – SUBTERRANEAN HOMESICK BLUES

BILLIE JEAN — MICHAEL JACKSON (1983, DIRIGIDO POR STEVE BARRON)

"Billie Jean" foi o primeiro vídeo que Michael Jackson usou para promover seu álbum Thriller e ajudou a estabelecê-lo como uma grande estrela e figura pop icônica. Também foi revolucionário por ser o primeiro vídeo da MTV a apresentar um artista negro e por quebrar as barreiras racistas que persistiam mesmo dentro do novo canal inovador.

No vídeo, Michael é seguido por um fotógrafo enquanto caminha casualmente pelas ruas da cidade. O paparazzo tenta fotografar Michael, mas Michael não se materializa na imagem revelada. Michael chega a um hotel e segue para o quarto de hotel de Billie Jean, ainda seguido pelo paparazzo. Enquanto Michael desaparece sob as cobertas da cama, o paparazzo é detido pela polícia por espionar Billie Jean.

A MTV inicialmente se recusou a transmitir o vídeo, alegando que a música de artistas negros não era "rock" o suficiente para seu canal. Eles mudaram de ideia depois que o executivo da CBS Records, Walter Yetnikoff, ameaçou expor seu racismo aberto e retirar todos os videoclipes de rock de suas gravadoras do ar. Claro, a música se tornou um sucesso instantâneo, o álbum Thriller se tornou o mais vendido de todos os tempos e a MTV agora lista o vídeo de “Billie Jean” como um dos maiores de todos os tempos. Mas foram necessárias as habilidades inovadoras de Michael como artista, juntamente com o vídeo agora clássico de Steve Barron, para abrir as portas para futuros artistas e músicos negros obterem sucesso comercial e estrelato internacional.

PlayPlay Button
MICHAEL JACKSON – BILLIE JEAN

TAKE ON ME — A-HA (1985, DIRIGIDO POR STEVE BARRON)

Como você já deve ter notado, o diretor Steve Barron foi a força criativa por trás de muitos dos videoclipes de rock mais revolucionários dos anos 1980, e em “Take on Me” ele usou uma forma impressionante de animação para elevar a música a um clássico pop.

Em 1984, o A-ha era um grupo pop norueguês relativamente desconhecido cuja versão original da música "Take on Me" vendeu apenas 300 cópias na Inglaterra em seu lançamento. Eles então fizeram um vídeo simples da banda se apresentando em frente a uma tela azul, mas isso pouco ajudou a aumentar a popularidade da música.

No entanto, Jeff Ayeroff, um executivo da Warner Brothers na época, tinha tanta fé no potencial da música que recrutou Barron (que já havia feito um tremendo sucesso com o vídeo de “Billie Jean”) para criar um novo vídeo para a música. Barron deu tudo de si neste vídeo, usando uma técnica de animação intensiva chamada rotoscopia para contar uma história de amor entre uma mulher viva em um café (Bunty Bailey) e o herói da história em quadrinhos que ela está lendo (vocalista do A-ha, Morten Harket). Ela é puxada para a história em quadrinhos e Harket canta para ela ao lado de um espelho que os faz parecerem pessoas vivas ou desenhos de histórias em quadrinhos, dependendo do ângulo. Eles são então perseguidos pela por vilões na história em quadrinhos, que primeiro quebram o espelho, prendendo Bailey na história até que Morten rasgue um buraco no papel e a mande de volta para o café do mundo real.

O vídeo é visualmente atraente até mesmo para os espectadores modernos, em grande parte graças ao uso de rotoscopia de Barron, que envolve filmar sequências de ação ao vivo e, em seguida, segui-las diretamente no filme. Esse processo meticuloso levou 16 semanas para os animadores de Barron e um orçamento equivalente a $400.000 (em dólares de hoje), o que parece um extraordinário voto de confiança para uma banda desconhecida cuja música até então não tinha conseguido se tornar um sucesso. Mas valeu a pena: após o lançamento do vídeo, "Take on Me" atingiu o topo das paradas da Billboard, e o vídeo recebeu oito MTV Music Awards, incluindo Vídeo Mais Experimental, Melhor Direção e Melhores Efeitos Especiais.

PlayPlay Button
A-HA – TAKE ON ME

CALIFORNICATION — RED HOT CHILI PEPPERS (1999, DIRIGIDO POR JONATHAN DAYTON/VALERIE FARIS)

Por último, mas não menos importante, um videoclipe que assume a forma de um videogame de mundo aberto e perspectiva em terceira pessoa que estava realmente à frente de seu tempo! Os quatro membros do Red Hot Chili Peppers são os jogadores do jogo, e cada um deles passa por uma série de aventuras ambientadas em diferentes partes da Califórnia: o baterista Chad Smith pratica snowboard em cima de um trem em movimento, por exemplo, enquanto o baixista Flea resgata um urso de um caçador e escapa por um túnel de mineração, saltando para o topo de um pinheiro alto por segurança.

Esse vídeo é incrível e é um sucesso em muitos níveis. Por um lado, parece espetacular e, por outro, os jogadores continuam se deparando com personagens e situações conforme mencionados nas letras ao longo da música. O Red Hot Chili Peppers ficou feliz com o vídeo porque refletia os ideais pró-ambientais e anti-artificialidade da música e, claro, porque é muito divertido de assistir.

Do ponto de vista do jogo, esse videoclipe é significativo porque antecipou recursos de jogos futuros que ainda não haviam sido lançados, anteriores a Grand Theft Auto e outros jogos em que os jogadores se movem por uma paisagem urbana detalhada e interagem de forma realista com outros personagens. Muito recentemente, em março de 2022, o desenvolvedor Miquel Orteza fez um videogame baseado no videoclipe “Californication”; tem sete níveis diferentes inspirados em várias configurações do vídeo. Esse é um exemplo de como diferentes formas de arte e tecnologia estão sempre influenciando umas às outras, e como os vídeos de rock revolucionários mais antigos ainda são relevantes nos dias de hoje.

SOBRE O AUTOR

Amanda Eve Sloane é uma multi-instrumentista e compositora, tanto como solista quanto com seu atual projeto musical Sloane Bayley. Ela é professora de canto e teclado/piano na School of Rock Portland e dirige shows na School of Rock desde 2017.