Lapa-Vila Leopoldina
School of Rock

CONHEÇA A School of Rock

Lapa-Vila Leopoldina

Matrículas abertas. Aulas para todas idades e nível musical.
  Fale Conosco e encontraremos o programa adequado (WhatsApp)

Educação musical

ESCALA HARMÔNICA PARA COMPOSIÇÃO

Para os amantes da música em todos os lugares, uma boa música é uma fonte inesgotável de inspiração. De onde vêm nossas músicas favoritas? A composição é o processo de combinar melodia, letra e acordes em uma criação musical única. Uma grande melodia pode ficar presa em sua cabeça por semanas ou uma letra significativa pode te ajudar a lidar com as dificuldades da vida. Uma boa composição requer uma compreensão básica de harmonia e melodia para expressar com sucesso suas ideias e capturar a atenção de seu público. A escala harmônica maior é a base da harmonia, e entender suas aplicações é essencial para escrever progressões de acordes e melodias eficazes que tornarão sua música inesquecível.

A ESCALA MAIOR:

A escala harmônica maior é uma escala de sete notas composta por uma série de tons inteiros e semitons. Existem 12 escalas maiores, cada uma com sua própria armadura de clave. Para o nosso exemplo, usaremos a escala de C maior porque é a escala maior que contém apenas tons naturais (sem sustenidos ou bemóis). Pense nas teclas brancas do teclado de um piano. Esses são seus tons naturais que percorrem o alfabeto musical e cada um faz parte da escala de C maior. Usaremos harmonia diatônica para todos os exemplos a seguir, o que significa que usaremos apenas notas e acordes encontrados na escala de C maior.

A escala de C Maior é:

Podemos atribuir a cada um desses tons da escala harmônica um número que representa sua posição dentro da escala.

INTERVALOS:

Um intervalo é a distância entre quaisquer duas notas. Na escala de C maior, diríamos que o intervalo entre C e D é uma segunda, entre C e E é uma terça, entre C e F uma quarta, e assim por diante.

Cada nota tem uma função específica dentro da escala harmônica. Chamamos a nota C de tônica porque é a primeira nota da escala e a  mais importante na criação da melodia e harmonia dentro da escala. A tônica é o centro de qualquer tom e todas as outras notas funcionam em sua relação com a tônica. Por exemplo, a quinta nota dessa escala, G, é chamada de dominante. É a segunda nota mais importante da escala e é usada com destaque na música popular. Quando combinamos as notas da escala e as tocamos juntas, criamos harmonia, que é um dos blocos básicos de construção de toda a música, um elemento-chave da composição. Como compositores, quando falamos de harmonia, geralmente falamos de acordes.

TRÍADES:

Uma tríade é um tipo de acorde que contém três notas. Podemos usar nossa escala harmônica maior para criar uma série de tríades que são exclusivas desse tom. No tom de C, podemos começar com a nota tônica, “C”, e criar uma tríade colocando outras notas acima dela. Esse processo pode ser chamado de empilhamento de terças porque as notas são todas separadas por um intervalo de terça. Por exemplo, se quisermos criar uma tríade de C maior, começamos adicionando a nota E, que está uma terça acima do C. Em seguida, adicionamos a nota G, que é uma terça acima do E. Sendo assim, nossa tríade de C maior contém as notas C, E e G. Estas notas representam o 1º, 3º e 5º graus da nossa escala maior:

Uma vez estabelecido esse acorde maior, podemos expandir para criar tríades para cada nota da escala harmônica. Para a tríade de C maior, dizemos que a tônica do acorde é C porque é a nota mais baixa e as outras notas estão empilhadas acima dela. Digamos que queremos criar um novo acorde com D como tônica. Seguiríamos o mesmo processo e teríamos que empilhar terças acima de D. Isso nos dá D, F e A:

Observe que todas essas tríades têm o mesmo padrão e sempre pulam uma nota da escala entre as outras notas do acorde da tríade. Repetimos esse mesmo processo para tornar cada nota da escala harmônica de C maior a tônica de seu próprio acorde:

ACORDES MAIORES E ACORDES MENORES:

A tríade pode ter diferentes características dependendo da disposição dos semitons e tons inteiros que separam as notas. Para muitos compositores, os dois tipos mais comuns de tríades são chamados de maiores ou menores. Em cada tom maior, existem três tríades maiores, três tríades menores e uma tríade diminuta. No tom de C maior, as tríades maiores são C (C E G), F (F A C) e G (G B D). As tríades menores são D (D F A), E (E G B) e A (A C E). A tríade diminuta, B (B D F), não é comumente usada na música popular, mas tem sua própria função e é frequentemente encontrada nas composições de jazz. Como compositores, estruturamos as nossas músicas para combinar acordes maiores e menores que evocam um certo clima e refletem a mensagem geral da música. Em termos gerais, dizemos que acordes maiores soam mais “alegres” e acordes menores soam mais “tristes”, mas esses acordes e suas infinitas combinações podem produzir um amplo espectro de emoções. 

PROGRESSÃO DE ACORDES:

Embora os métodos de composição variem, uma prática popular e comprovada é começar com uma progressão de acordes. Uma progressão de acordes é simplesmente uma sequência de acordes que dá suporte à sua melodia. Uma boa progressão pode usar acordes diferentes dentro do tom para criar uma sensação de tensão e resolução. Músicos experientes costumam usar taquigrafia numérica para se referir aos acordes em uma progressão. Entender esse sistema pode ajudar a expandir seus dons como compositor e melhorar a comunicação entre um compositor e os outros músicos. Para ilustrar isso, iremos atribuir um número a cada uma das tríades construídas nos tons da escala harmônica maior.

Usamos algarismos romanos para simbolizar cada acorde construído nos graus da escala harmônica. Os numerais maiúsculos indicam um acorde maior, enquanto os numerais minúsculos indicam acordes menores. Uma progressão de acordes de blues comum pode ser chamada de I - IV - V ou 1 - 4 - 5. Essa progressão é usada em inúmeras canções de rock e blues como Pride and Joy de Stevie Ray Vaughn, Three Little Birds de Bob Marley e Wild Thing de The Troggs/Jimi Hendrix. Outra progressão de acordes muito popular para o rock contemporâneo e canções pop é I V vi IV. No tom de C, isso significaria que nossa progressão de acordes é C, G, A menor e F. Essa progressão de acordes está em muitas de nossas canções mais amadas, incluindo "Don't Stop Believin'" de Journey, "When I Come Around" de Green Day e "Let it Be" de The Beatles. 

ACIMA DE C MAIOR:

Agora que entendemos o sistema que organiza nossos acordes em uma escala harmônica, podemos usar nosso sistema numérico para mudar os tons e utilizar uma variedade de acordes e progressões de acordes diferentes para expandir nossa paleta musical. Aqui está a escala de E maior, um tom popular para guitarristas:

Observe que essa escala harmônica difere de C maior porque 4 das notas são sustenidas. Isso dá à escala um som completamente diferente e também nos fornece um novo conjunto de acordes:

Usando a mesma fórmula da escala de C maior, agora temos 7 novos acordes que podemos usar para compor no tom de E maior. Podemos repetir esse processo em qualquer um dos 12 tons maiores para encontrar todas as tríades maiores e menores. Escrever em tons diferentes pode transformar sua composição explorando as diferenças que cada tom e cada acorde tem a oferecer.

A escala harmônica maior é a chave para nossa caixa de ferramentas musicais como compositores. Mas há muitas outras habilidades para desenvolver com melodia, letras e acordes para nos tornarmos compositores expressivos e experientes. O Programa de Composição da School of Rock foi projetado para ensinar aos alunos os fundamentos da composição, arranjo e performance em um ambiente interativo de aulas em grupo. Por meio de exercícios, atividades e treinamento prático, os alunos aprenderão a articular e expressar ideias criativas enquanto escrevem, arranjam e executam suas próprias canções originais.

SOBRE O AUTOR

Chris Brunelle é diretor musical da School of Rock Attleboro e traz sua paixão pela educação e mais de 20 anos como músico profissional. Ele é ativo nas comunidades musicais de Providence e Boston, trabalhando como arranjador/produtor, vocalista, guitarrista e saxofonista. Ele também continua a escrever, gravar e tocar com The Sterns (uma banda que formou em 2003 em Boston) e seu projeto solo, The Deadly Desert.