Lapa-Vila Leopoldina
School of Rock

CONHEÇA A School of Rock

Lapa-Vila Leopoldina

AULAS PARA TODAS AS IDADES E NÍVEIS MUSICAIS! MARQUE SUA AULA EXPERIMENTAL GRATUITA
  Temos vagas para o curso de férias

Guitarra

GUITARRISTAS FEMININAS QUE VOCÊ TEM QUE CONHECER

Apesar do que a sua imagem no século XX possa sugerir, a guitarra nem sempre foi um símbolo de masculinidade. Nos séculos XVIII e XIX, as guitarras eram vistas como instrumentos femininos. Os violões eram menores naquela época e, em 1800, a parlor guitar – um modelo pequeno e compacto – foi desenvolvido para mulheres. Como resultado, mulheres, como a virtuose espanhola Madame de Goñi, foram algumas das maiores violonistas.

Mas como a disponibilidade comercial de cordas de aço no início de 1900 acompanhou a popularização geral do instrumento, ele encontrou um novo lar entre o grupo demográfico masculino. Na época em que o rock surgiu, na década de 1950, a guitarra passou a ser vista como masculina – uma suposta qualidade que foi reforçada pela mídia. Em seu estudo sobre anúncios de música nas revistas Seventeen de 1944 a 1981, Lyn Ellen Burkett e Kim Wangler observam: “garotas eram retratadas… de pé perto de violões e observando garotos tocando violão, mas raramente uma garota era mostrada segurando ou tocando um violão.

Agora, 40 anos depois, cada vez mais guitarristas femininas desempenharam um papel na evolução do rock e foram reconhecidas pelas suas contribuições. Elas são líderes de banda, cantoras/compositoras, sidewomen e muito mais. Elas se tornaram artistas que venderam platina e lideraram movimentos musicais. Continue lendo para ver os muitos exemplos de mulheres no rock.

JOAN JETT

Talvez um dos maiores nomes do rock, a líder/guitarrista Joan Jett alcançou a fama nos anos 80 com sua banda The Blackhearts. Começando no final dos anos 70 com o grupo de rock feminino The Runaways e mudando para uma breve carreira solo de 1980-81, Jett tornou-se conhecida por seu toque de rock alto, desafiador e simples, que pode ser ouvido em músicas como “ I Hate Myself for Loving You”, “Bad Reputation” e, o mais famoso, seu hit Top Ten “I Love Rock 'n' Roll”. Joan Jett & the Blackhearts foram incluídos no Rock and Roll Hall of Fame em 2015.

JONI MITCHELL

Começando nos anos 60, a cantora e compositora Joni Mitchell é uma das artistas mais influentes, poéticas e multifacetadas que surgiram na cena folk de meados do século XX. Nascida Roberta Anderson em Alberta, Canadá, no início dos anos 40, Mitchell adotou seu nome artístico pouco antes de se mudar para a América em 1966. Os primeiros singles “Chelsea Morning”, “The Circle Game” e “Both Sides Now”. Então, após o lançamento de seu álbum de estreia, Song to a Seagull, em 1968, ela produziu obras-primas como o álbum folk tradicional Blue (1971), o disco de jazz-rock Court and Spark (1974) e o trabalho de jazz-fusion Hejira (1976), entre outros.

LITA FORD

Com uma carreira que começou com os The Runaways, a guitarrista de pop/hard rock/metal Lita Ford fez seu nome nos anos 70 e 80 como uma destruidora que conseguia se destacar em um gênero dominado por homens. Após a dissolução dos The Runaways em 1979, Ford embarcou em uma carreira solo que começou com o lançamento de 1983, Out of Blood, e atingiu o pico com o disco pop-metal de 1988, Lita. Ela alcançou a 12ª posição nas paradas com seu single “Kiss Me Deadly” e chegou ao Top Ten com seu dueto com Ozzy Osbourne, “Close My Eyes Forever”.

NANCY WILSON

A carreira versátil de Nancy Wilson começou com Heart, uma banda pop-rock dos anos 70 liderada por ela e sua irmã Ann. Entre outros singles, seu trabalho de guitarra pode ser ouvido em seu maior sucesso, “Barracuda”. A banda lançou álbuns periodicamente desde sua formação, chegando ao Top Ten em quatro décadas diferentes. Fora de seu trabalho com Heart, Wilson compôs a trilha sonora do filme Elizabethtown em 2005 e, em 2009, lançou Baby Guitars, um álbum infantil instrumental. Mais recentemente, ela lançou seu primeiro álbum solo, You and Me, em 2021.

MELISSA ETHERIDGE

A compositora e guitarrista de rock raiz Melissa Etheridge tornou-se conhecida não apenas por sua música, mas por seu ativismo dentro e fora da comunidade musical. Diagnosticada com câncer de mama em 2004, Etheridge se apresentou no Grammy Awards de 2005 enquanto ainda careca, devido aos tratamentos de quimioterapia. Desde que se assumiu publicamente em 1993, ela tem sido uma ativista gay e lésbica e, em 2007, ganhou o Oscar de Melhor Canção Original por “I Need to Wake Up”, apresentada em An Inconvenient Truth. Para completar, seu álbum de 1993, Yes I Am, passou 138 semanas nas paradas, tornando-a uma artista multi-platina.

BONNIE RAITT

Reconhecida como uma das poucas mulheres que tocou bottleneck guitar (Slide-Guitar) na década de 1970, a artista de blues/rock/R&B Bonnie Raitt alcançou sucesso comercial no final da década de 1980 com seu lançamento Nick of Time. Ao se destacar, Raitt foi elogiada por suas habilidades na guitarra e voz distinta, e passou a tocar com outros artistas de renome, como Warren Zevon, Little Feat, Jackson Browne, The Pointer Sisters e John Prine. Hoje, ela tem 10 prêmios Grammy em seu nome e aparece na lista da Rolling Stone dos 100 Maiores Guitarristas de Todos os Tempos. 

ORIANTHI

A guitarrista australiana de pop-rock Orianthi Panagaris - que se apresenta com seu primeiro nome - começou a tocar guitarra aos seis anos de idade. Aos 15 anos, ela e sua banda do ensino médio estavam abrindo para o virtuoso Steve Vai e, apenas três anos depois, ela impressionou tanto seu herói Carlos Santana que ele disse que ela seria sua primeira escolha se ele “passasse o bastão”. Ela lançou seu álbum de estreia, Violet Journey, em 2005, mas desde então fez seu nome tocando com Michael Jackson em seu álbum e turnê This Is It e juntando-se às bandas de turnê de Alice Cooper em 2011. Em 2015, ela se juntou ao supergrupo de Cooper, Vampiros de Hollywood, com Johnny Depp e Joe Perry.

SUSAN TEDESCHI

O que a guitarrista e cantora Susan Tedeschi traz para o blues moderno é parte do que mantém o gênero fresco e em evolução. Misturando R&B clássico, blues e gospel, Tedeschi entrou em cena pela primeira vez como cantora, formando mais tarde a primeira iteração de sua banda de blues quando se formou no Berklee College of Music em 1991. Cultivando sua química em Boston nos anos 90, a banda lançou seu álbum de estreia Just Won't Burn em 1998. Em 2011, ela fundiu sua banda com a de seu marido Derek Truck para formar a banda Tedeschi-Trucks. Tedeschi recebeu seis indicações ao Grammy desde 2000 e, em 2012, ganhou o prêmio Grammy de Melhor Álbum de Blues com Revelator da Tedeschi-Trucks Band.

SISTER ROSETTA THARPE

Aclamada como a “madrinha do Rock ‘n’ Roll”, a compositora e guitarrista Sister Rosetta Tharpe ganhou popularidade nos anos 30 e 40 e desde então se tornou uma lenda por seu papel no desenvolvimento do rock. Quando criança, ela se juntou à mãe em turnê com uma trupe evangélica itinerante, onde foi considerada um “milagre do canto e do violão”. Seu hit de 1945, “Strange Things Happening Every Day”, foi o primeiro disco gospel a passar, alcançando o nº. 2 na parada de R&B da Billboard. Nos últimos anos, ela foi tema do documentário Sister Rosetta Tharpe: The Godmother of Rock & Roll de 2011 e, em 2018, foi incluída no Hall da Fama do Rock and Roll como uma influência inicial. Diz-se que seu estilo exultante e comovente influenciou Little Richard, Johnny Cash, Elvis Presley e Jerry Lee Lewis.

YVETTE YOUNG

A virtuosa guitarrista de Math rock Yvette Young nasceu em uma família musical, com pais que são acordeonistas. Ela começou a ter aulas de piano e violino ainda criança, antes de aprender o violão. Ela começou a postar vídeos dela tocando online em 2009 e gradualmente ganhou reconhecimento por sua técnica de tocar guitarra com as duas mãos. Por vários anos, Young permaneceu solo - então, em 2014, ela formou o grupo de Math rock Covet. Embora ela tenha formação teórica em piano, Young diz que na guitarra ela compõe apenas com o ouvido, o que a leva a criar formas de acordes não convencionais e a experimentar afinações alternativas.

CARRIE BROWNSTEIN

Uma figura importante na cena Riot grrrl que explodiu em Olympia, Washington, no início dos anos 90, Carrie Brownstein é uma guitarrista conhecida por sua ferocidade no palco. Ela formou o influente Excuse 17 enquanto cursava a faculdade na Evergreen State, depois foi cofundadora do que se tornaria seu grupo mais conhecido, Sleater-Kinney, como um projeto paralelo. A Excuse 17 acabou se desfazendo, mas Sleater-Kinney lançou 10 álbuns de estúdio. Os críticos os chamam de uma das maiores bandas de rock do início dos anos 2000, e Brownstein é a única mulher a aparecer na lista da Rolling Stone de 2006, “Os Vinte e Cinco Guitarristas Mais Subestimados”. Brownstein também é conhecida por seu papel na popular série de comédia Portlandia.

VICKI PETERSON

A guitarrista de rock Vicki Peterson se tornou uma pedra angular na história do rock feminino por seu papel na formação do grupo de pop rock dos anos 80, os Bangles. Uma das poucas bandas exclusivamente femininas dos anos 80 a alcançar sucesso comercial, os Bangles lançaram três discos nos anos 80 (antes de sua reunião no final dos anos 90), compondo sucessos duradouros como “Manic Monday” e “Walk Like an Egyptian". Durante o hiato da banda no início e meados dos anos 90, Peterson fez uma turnê com colegas musicais femininas, os Go-Go's, e se juntou aos Continental Drifters e aos Psycho Sisters, tocando com a agora cunhada Susan Cowsill.

WENDY MELVOIN

Na história do rock, não são apenas os artistas em destaque que merecem elogios. Mais conhecida por seu papel como guitarrista na banda de apoio de Prince, The Revolution, Wendy Melvoin gravou pela primeira vez com Prince ao vivo em 1983, quando ela tinha apenas 19 anos, em um show onde algumas das gravações ao vivo foram posteriormente incluídas em Purple Rain. Em 1986, Melvoin deixou o Revolution com a namorada Lisa Coleman para formar a dupla Wendy & Lisa. Juntas, as mulheres compuseram a trilha sonora da primeira temporada de Heroes e, posteriormente, o tema título de Nurse Jackie, pela qual ganharam um Emmy. Melvoin também gravou com Madonna e Glen Campbell.

CHARO

Conhecida por sua presença de palco extravagante e desinibida, a imagem da guitarrista flamenca Charo é ilustrada em parte por suas habilidades como comediante. Depois de estudar com Andrés Segovia, pai do violão clássico, na juventude, ela se tornou uma atriz conhecida nos anos 60 e 70, aparecendo nos programas The Love Boat e The Tonight Show com Johnny Carson. Charo lançou apenas alguns álbuns ao longo de sua carreira de várias décadas e, em 1995, ganhou o prêmio de Álbum Pop Feminino do Ano da Billboard por seu álbum Guitar Passion.

ELIZABETH COTTEN

A música de Elizabeth Cotten, guitarrista de blues e folk nascida em 1893, quase se perderia na obscuridade se não fosse o acaso. Cotten comprou seu primeiro violão aos 12 anos e aprendeu sozinha a tocar com a mão esquerda - não em um violão para canhotos, mas em um violão para destros virado de cabeça para baixo. Sua maneira única de tocar linhas de baixo alternadas com os dedos (em oposição ao polegar) tornou-se conhecida como palhetada de Cotten. Cotten deixou de tocar por décadas antes de ser descoberta pela família de Pete Seeger enquanto trabalhava para eles como governanta - eles então a ajudaram a fazer gravações caseiras. Sua música característica “Freight Train” e outras foram regravadas por Joan Baez, Bob Dylan e Jerry Garcia.

JENNIFER BATTEN

A guitarrista de rock Jennifer Batten fez carreira como sidewoman de alguns dos maiores nomes do rock. Mais notavelmente, ela tocou em todas as três turnês mundiais de Michael Jackson, de 87 a 97, e fez turnês e gravou com o lendário guitarrista de rock Jeff Beck. Batten também lançou três álbuns como artista solo, publicou dois livros de guitarra e produziu três cursos educacionais de guitarra para a popular plataforma de aulas online TrueFire. Em janeiro de 2016, ela recebeu o prêmio She Rocks Icon e foi incluída na “Galeria dos Grandes” da Guitar Player Magazine.

NILI BROSH

A guitarrista de rock israelense Nili Brosh deixou sua marca no gênero por meio de seus álbuns solo e de seu trabalho como uma autodenominada “arma contratada”. A musicista de 33 anos já se apresentou e gravou com Danny Elfman, Cirque du Soleil, Dethklok, Guthrie Govan e Jennifer Batten. Suas gravações solo contaram com Marco Minnemann e Bryan Beller dos Aristocrats, e como acompanhante, ela gravou no álbum de Beller, Scenes from a Flood, ao lado do guitarrista do Dream Theater, John Petrucci. Por seu trabalho com o Cirque du Soleil, ela foi destaque na produção Michael Jackson: One, tocando solos de guitarra icônicos de Michael Jackson enquanto o fogo disparava de sua guitarra.

KAKI KING

Talvez uma das guitarristas mais experimentais desta lista, Kaki King tem desafiado ativamente os limites da guitarra desde o início de sua carreira em 2001. A virtuosística tocadora e compositora, que também toca lap steel guitar, foi reconhecida por seu uso de técnicas percussivas não convencionais e suas produções multimídia, bem como suas contribuições musicais para os filmes August Rush e Into the Wild, de Sean Penn. Sua produção multimídia The Neck Is a Bridge to the Body, estreou no BRIC Theatre do Brooklyn em 2014 e contou com projeções lançadas em sua guitarra Ovation. Seu último lançamento, Modern Yesterdays, partiu do que pretendia servir de trilha sonora para um programa multimídia intitulado Data Not Found, cuja produção foi interrompida pela pandemia.

MOTHER MAYBELLE CARTER

Nascida Maybelle Addington em 1909, Mother Maybelle Carter era uma musicista country que tocou com a banda folk da Família Carter do final dos anos 20 ao início dos anos 40. Um dos primeiros a usar a guitarra como instrumento principal na música country, Carter é reconhecido como o criador do “Carter scratch”, uma técnica de guitarra que envolve escolher a linha do baixo nas cordas graves e fragilizar as cordas agudas com o dedo indicador, em sequência. Nos anos 60 e 70, ela gravou vários álbuns solo, e seu disco duplo autointitulado de 1973 foi colocado na parada Billboard US Country quando ela tinha sessenta anos.

LIONA BOYD

Apelidada de “Primeira Dama da Guitarra” pelos críticos, a guitarrista Liona Boyd tem sido uma das mais populares em seu gênero desde o início dos anos 80. Começando a tocar aos 13 anos, Boyd, nascido no Canadá, estudou com as lendas clássicas Andrés Segovia e Julian Bream quando adolescente. Ela se apresentou no Carnegie Hall de Nova York aos 26 anos e fez uma turnê com Gordon Lightfoot no mesmo ano. Até o momento, ela lançou 26 álbuns de estúdio – três de platina e quatro de ouro no Canadá – e gravou com Chet Atkins, Eric Clapton, Al Di Meola, David Gilmour e Yo Yo Ma.

As contribuições que as mulheres fizeram para o rock foram tão importantes, diversas e influentes quanto as feitas pelos homens. Desde a invenção de novas técnicas, como a palhetada de Cotten ou o scratch Carter, até à experimentação de novos estilos, passando por tocar ao lado de lendas musicais e tornarem-se elas próprias, as mulheres tiveram um impacto significativo através de abordagens individuais e de virtuosismo. E, se você encontrar alguém que possa duvidar disso, basta mostrar esta lista – e eles certamente mudarão de ideia.

A School of Rock oferece aulas de guitarra para todos os níveis de habilidade de guitarristas. Desde aulas para iniciantes até aulas em estágio avançado, todo guitarrista tem um lugar no palco da School of Rock. Saiba mais e inscreva-se para uma aula experimental abaixo.

SOBRE O AUTOR

Kate Koenig é cantora, compositora, multi-instrumentista e jornalista musical que mora no Brooklyn, NY. Além de ensinar guitarra, baixo, teclado e voz na School of Rock Williamsburg, ela entrevista músicos profissionais e edita notação musical para as revistas Premier Guitar e Acoustic Guitar. Ao ensinar música, ela se concentra em descobrir a maneira mais rápida de ajudar um jovem músico a perceber sua conexão pessoal e seus pontos fortes na música, e quão capazes eles são de crescer em sua arte.